Campanha pelas Abelhas e outros Polinizadores

 

As abelhas são animais incríveis – não só desempenham um papel fundamental no nosso ecossistema, são um dos seres vivos mais complexos e sofisticados na história da evolução. Uma abelha só pode não atingir muito, mas, colectivamente as abelhas tornam uma força poderosa e vital, responsável pela polinização de quase 75% dos alimentos cultivados no Mundo. Sem as abelhas, o nosso Planeta seria um lugar muito diferente.

Devido às modernas práticas agrícolas, à proliferação das monoculturas, à eliminação de sebes naturais, ao uso irresponsável de pesticidas e sementes geneticamente modificadas, e à expansão da rede viária e das zonas urbanas, a abelhas e outros insectos polinizadores tem sofrido reduções dramáticas nos seus efectivos, por todo o Mundo. E Portugal não é excepção.

Enquanto em alguns países, como o Reino Unido, se assiste a um esforço concertado para recriar condições para o regresso ou expansão destes úteis insectos, tanto no campo como nas cidades, em Portugal nem sequer se discute o assunto!

Enquanto noutros países se incentiva, ao mais alto nível, o regresso das abelhas ao coração das cidades – qual não é o jardim botânico que se preze que não tem o seu apiário pedagógico? – a legislação portuguesa continua a proibir a instalação de colmeias a menos de 100m de casas habitadas e 50m de arruamentos, banindo a possibilidade de termos a nossa própria colmeia, no nosso jardim, na cidade.

Seria muito interessante se os nossos municípios, onde muitas das coloridas plantas com que adornamos os nossos jardins, produto de selecções artificiais, nada oferecem aos insectos polinizadores, adoptassem esta preocupação de criar espaços benéficos para estes importantes insectos.

Não seria excelente se a legislação portuguesa voltasse a permitir que pudéssemos instalar uma colmeia ao fundo do nosso quintal ou jardim, ou mesmo na cobertura do edifício de apartamentos onde vivemos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.